Pré-congresso

Transformação social & Cinema Ibero-Americano, 23 de Junho 2021

O cinema tem um impacto evidente na sociedade enquanto forma de comércio e fonte memética. É mais difícil determinar se esse impacto tem o poder de afetar a própria estrutura e natureza da sociedade.

Os atos cinematográficos podem suscitar uma transformação social? Caso que, quais atos, e que tipo de transformação? Será possível reconhecer, medir e avaliar esse impacto?

Este pré-congresso online é dedicado às numerosas interrelações entre o tema da transformação social e o cinema. O dispositivo cinematográfico é considerado tanto um veículo quanto uma testemunha das transformações sociais.

As atividades do evento vertem sobre os seguintes tópicos:- 
Descolonização e a sua relação com o cinema e a sociedade;
- Formas de produção coletivas e participativas;
- Estratégias de distribuição e exibição alternativas e socialmente integradas;
- Ativismo audiovisual;
- Outras formas de refletir sobre o cinema e a transformação social.

Carmen Torres Narváez e Sara Diez Ortiz de Uriarte serão os keynote speakers do pré-congresso.

Pode seguir os painéis do pré-congresso através destas credenciais Zoom:
https://videoconf-colibri.zoom.us/j/84776875997?pwd=ckJ5VU1jNVpjbHRuZTRWQlhDbVpQQT09

ID: 847 7687 5997
Senha: congress

 

Horário das atividades do pré-congresso

23 de junho de 2021:

10h00 - 11h00: Apresentação dos keynote speakers
Sara Díez & Carmen Torres Narváez, Secretário Geral Iberoamericana + sessão de Q&A

11h00 - 11h30: Coffee break

11h30 - 12h30: Mesa redonda - Modelos de Co-Criação em Processos de Realização Contemporâneos
Com a participação dos realizadores Margarida Cardoso, João Canijo e Felipe Bragança

12h30 - 14h30: Lunch break

14h30 - 16h00: Apresentações de artigos por investigadores internacionais sobre o tema - Transformação Social e o Cinema Ibero-Americano


Exibições virtuais

23 de junho de 2021
19h00:  Curtas-metragens (1h20m)
20h30: Understory, de Margarida Cardoso (1h20m)
22h00: Fátima, de João Canijo (3h20m) – disponível até dia 25 de junho às 23:59

24 de junho de 2021
20h30: Cavalo Dinheiro, de Pedro Costa (1h20m)

25 de junho de 2021

20h00: Fátima, de João Canijo (3h20m)

Todas as exibições são gratuitas, prévia inscrição através de GoogleForm: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfqrJgoEVapm4VGDZr2a3WOn5ggE6kHWagvR-kqlI87jTrIjg/viewform


(mais detalhes em baixo)

Keynote speakers, 10h00 - 11h00, 23 de junho de 2021

Carmen Torres Narváez

KEYNOTE SPEAKER

Sara Diez Ortiz de Uriarte

KEYNOTE SPEAKER

“El cine iberoamericano como herramienta de transformación social”

Resumo da apresentação: "La exposición aborda el papel central que desempeña el cine iberoamericano como complemento formativo en el ámbito de la educación superior y para la transformación social en tanto bien público regional. En los últimos años han surgido ambiciosos proyectos que promueven la circulación del cine iberoamericano a nivel regional e internacional, con una apuesta estratégica a favor de la diversidad cultural como patrimonio común. Estas plataformas, que cuentan con un amplio catálogo audiovisual y material didáctico asociado, constituyen, asimismo, una poderosa herramienta de cooperación para el reconocimiento y la empatía entre comunidades iberoamericanas en un escenario complejo de aumento de las inequidades y de fracturas sociales."

Participantes na Mesa-Redonda, 11h30 - 12h30, 23 de junho de 2021

Felipe Bragança

Felipe Bragança tem 40 anos e nasceu no Rio de Janeiro. Originário de uma família de classe médio-baixa, Felipe Bragança estudou cinema numa universidade pública (UFF) e trabalha como realizador e argumentista desde 2003. Estreou-se profissionalmente como assistente de realização e argumentista para a longa-metragem O Céu de Suely (2006), realizado por Karim Ainouz. A sua obra enquanto realizador inclui 4 longas-metragens, 4 curtas-metragens e 1 projeto trans-media, que foram todos apresentados em festivais de categoria A (Cannes, Locarno, Roterdão, Berlinale e Sundance). É sócio-gerente da produtora independente Duas Mariolas Filmes com Marina Meliande. O seu trabalho foi objeto de retrospectivas em Paris (Jeu de Paumme), Berlim (Kino Arsenal e Wolf Kino) e Los Angeles (Cal Arts).

João Canijo

Foi estudante de História, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, entre 1978 e 1980, e entre 1980 e 1985, iniciou-se no cinema, tendo sido assistente de realização de Manoel de Oliveira, Wim Wenders, Alain Tanner ou Werner Schroeter. Três Menos Eu (1988) foi a sua primeira longa-metragem, entretanto seleccionada para o Festival de Roterdão daquele ano. Trabalhou esporadicamente como encenador, tendo dirigido peças de David Mamet e Eugene O'Neill.

É autor de Noite Escura (2004), que estreou no Festival de Cannes de 2004, foi o filme português escolhido como candidato ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro desse ano e, arrecadou em Portugal, o Globos de Ouro para o Melhor Filme.

Em 2011 ganhou o Prémio Melhor Realizador no Festival Caminhos do Cinema Português pelo filme Sangue do Meu Sangue.

Margarida Cardoso

Margarida Cardoso é uma cineasta independente. Tirou o curso em Imagem e Comunicação Audiovisual na escola de artes António Arroio em Lisboa. Trabalhou durante muitos anos em França, tendo desempenhado as funções de assistente realização, assistente de câmara e anotadora em mais de 50 longas-metragens.
Em 1995 estreou-se na realização, explorando o seu percurso pessoal, a história moderna Portuguesa e a guerra colonial em África, assim como a revolução e o periodo da descolonização. Os documentários Natal 71, Kuxa Kanema e a longa-metragem A Costa do Murmúrios são as suas obras mais conhecidas, sendo acomunadas pelo relato da sua experiência na África colonial e pós-colonial.

Os seus filmes foram exibidos em festivais de categoria A, como Roterdão, Veneza e Locarno, onde recebeu o prémio Leopard de Demain em 1999.
Aparece regularmente em conferências, masterclasses e seminários em todo o mundo. Foi convidada a integrar júris de inúmeros festivais, tais como DocLisboa e Vila do Conde.

Apresentações por investigadores internacionais sobre "Transformação Social e o Cinema Ibero-Americano", 14h30 - 16h00, 23 de junho de 2021

Teresa Maia e Carmo (moderadora)

Teresa Maia e Carmo é licenciada em Comunicação Social pela Universidade Nova de Lisboa, mestre em Comunicação e Educação Multimedia pela Universidade Aberta e doutorada em Ciências da Comunicação pela Universidade Complutense de Madrid. É jornalista desde 1988 e docente do ensino superior desde 1987. Actualmente é assessora do Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

Exibições Virtuais: Ciclo de Cinema Ibero-Americano, 23-25 Junho 2021

A equipa deste pré-congresso selecionou uma lista de exibições virtuais gratuitas para complementar o evento. As exibições terão lugar entre os dias 23 e 25 de junho. Os filmes incluem curtas e longas-metragens, documentários e ficção, sendo uma amostra de alguns dos trabalhos de produção ibero-americana mais fascinantes dos últimos 10 anos.

A lista de filmes inclui: Cavalo Dinheiro, de Pedro Costa (vencedor do prémio de Melhor Realizador no Festival de Locarno), uma reflexão poética sobre o legado do colonialismo português; Understory, de Margarida Cardoso, que aborda as conotações imperialísticas das plantações de cacau; e Fátima, de João Canijo, uma representação dos conflitos de poder e das provas de fé de um grupo de peregrinas.

Todas as exibições são gratuitas, prévia inscrição através de GoogleForm: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfqrJgoEVapm4VGDZr2a3WOn5ggE6kHWagvR-kqlI87jTrIjg/viewform

A nossa seleção complementará os tópicos discutidos no pré-congresso, incluindo: técnicas participativas, modelos de co-criação, pós-colonialismo, teoria cinematográfica radical e aplicada, entre outros.

Este pré-congresso foi organizado por Mariana Duarte, Anastasiya Maksymchuk, Lkhagvadulam Purev-Ochir e Jacopo Wassermann, estudantes de doutoramento em Arte dos Media da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. A equipa foi apoiada logística e tecnicamente por Célia Quico, José Gomes Pinto, Patrícia Franco, Jorge Bruno e Filipe Vale.

Curtas-metragens, 18h00
Understory, 20h00
Fátima (disponível todo o dia)
 
Cavalo Dinheiro, 20h30
Fátima (disponível todo o dia)
 
Fátima (disponível todo o dia)

CAVALO DINHEIRO / HORSE MONEY

Pedro Costa | Portugal | 1h 43min

Enquanto os jovens capitães fazem a revolução nas ruas, o povo das Fontaínhas procura o seu Ventura que se perdeu no bosque.

FÁTIMA

João Canijo | Portugal | 3h23m
Maio de 2016. Um grupo de 11 mulheres parte de uma aldeia no Norte de Portugal tendo como destino Fátima. Percorrem 400 km a pé durante 10 dias, atravessando o país numa tentativa de manter as suas promessas. A fadiga, o cansaço e os limites físicos de cada uma levam-nas até ao ponto de ruptura. Revelam assim as suas identidades e motivações. No caminho até Fátima, cada uma descobrirá a sua redenção.

UNDERSTORY

Margarida Cardoso | Portugal | 1h21m
Os seres humanos e as plantas partilham de uma relação recíproca que mudou o mundo, pelo bem e pelo mal. A lendária árvore do cacau, originária da Amazónia, difundiu-se à volta do mundo ao longo da linha equatorial. Sendo plantada em escala maciça através da exploração laboral, a história do cacau esteve sempre interligada com os aspetos mais sombrios da produção industrial e da ganância dos mercados de massa. Understory é uma reflexão sobre um mundo nas sombras, contado através dos relatos, da natureza, das pessoas e dos lugares que o caracterizam.

The Disinherited

Laura Ferrés Moreno | Spain | 18m
OS DESHEREDADOS é o retrato do pai da realizadora, que enfrenta o fim do negócio de família. Ferrés pai tem 53 anos e é dono de uma empresa de autocarros. A escassez de lucros obriga-o a aceitar clientes que desrespeitam o seu trabalho, mas Ferres não está disposto a prescindir da sua dignidade.

Harina

Joanna Cristina Nelson | Venezuela| 15m
Um trabalhador da classe média esforça-se para comprar bens essenciais no meio de uma crise humanitária na Venezuela. Quando a sua mãe pede-lhe para comprar farinha de forma a fazer um bolo de aniversário, surge um conflito inesperado.

Escape From My Eyes

Felipe Bragança | 2015 | 33m
Documentário e ficção misturam-se às memórias de três homens que vivem num acampamento de refugiados montado no coração de Berlin.

A balada de um batráquio

Leonor Teles | Portugal | 12m
Simultaneamente estranhos e familiares, distantes e próximos, inquietantes e sedutores, marginais e cosmopolitas, os ciganos apresentam-se envoltos numa aura de ambiguidade.

As duas metades

Gwen Joyaux | Argentina | 4m

Aristóteles, Cleópatra e Darwin consideravam as minhocas essenciais, até mesmo criaturas sagradas. Mas a única coisa que aprendemos sobre as minhocas é que, se alguém as cortar ao meio, elas se regenerarão. Essa história desmistifica essa crença. Esta é a história de alguém quando nasceu que foi cortado em dois, mas apenas metade sobreviveu. A metade com a cabeça sobreviveu, como as minhocas.

  • #metropolisskin

  • #metropolisskin

  • #metropolisskin

  • #metropolisskin

    Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
    Campo Grande, 376, 1749-024 Lisboa - Portugal

    Copyright © 2021 COFAC. Todos os direitos reservados.